História

SERVA DE DEUS

MADRE ÍLIA CORSARO

(1897-1977)

Fundadora da Congregação das

PEQUENAS MISSIONÁRIAS EUCARÍSTICAS

Cujo nome encerra a própria Identidade e a missão

Nós existimos desde 1928, quando Ília Corsaro, uma jovem que não tendo conhecido Deus na infância, percebe-o aos treze anos, encontra-o aos dezesseis, para aos poucos deixar-se conquistar por Ele a tal ponto de sentir-se atraída pela Vida Religiosa e fundar uma família religiosa.

Nós, as Irmãs Pequenas Missionárias Eucarísticas, que, como lâmpadas vivas, se alegram em consumir-se pelo amor de Deus e dos irmãos, continuando a missão de Cristo, Pão partido para a vida do mundo.

PEQUENAS:

O testemunho de Ilia será sempre um convite… para viver a humildade e a minoridade… Só assim podemos escutar Deus e os homens

MISSIONÁRIAS:

frequentar a eucaristia e levar todos à eucaristia

EUCARÍSTICAS:

O nosso viver e trabalhar seja como Jesus Eucaristia

EUCARÍSTICAS?…
Pão partido?…
Missão de Cristo?…

É isso aí. Este foi o grande amor de Ília Corsaro, nascida em Ercolano, Nápolis na Itália.

Filha de pais que, embora batizados não praticavam a fé católica: seu pai se tornou maçom e assumiu o anti-clericalismo da época; sua mãe, uma revoltada contra a Igreja, mas no fundo pessoas boas, cultas, trabalhadores, que acreditavam na força da vida e do bem. Mas você já ouviu falar que Deus escreve reto em linhas tortas?

É um provérbio antigo, muito tempo antes dele, porém o profeta Isaías já dizia mais ou menos assim: “Quanto o céu esta longe da terra os meus pensamentos estão longe dos vossos. De fato, assim como a chuva e a neve descem do céu e não voltam sem ter produzido frutos sobre a terra, assim as minhas palavras, não voltarão a mim sem realizar o que eu desejo” (Is. 55, 9-11).

E foi mesmo assim, naquela terra um pouco esquecida da família Corsaro, Deus fez acontecer o milagre da vida nova no coração da jovem Ília que desde cedo, se deixou apaixonar perdidamente pelo Deus feito pão, escondido na Eucaristia, mistério de fé e de amor. Só um Deus apaixonado pode inventar uma forma de atração deste tipo, você não acha?… Ficar alí, quietinho, escondido, esperando que alguém com um olhar e um ouvido um pouco mais atento possa percebê-lo, acreditar na potência extraordinária do seu amor para depois, um simples aceno, um simples consentimento…

Ele entra, se faz morada e não deixa mais sossegado o pobre coração da pessoa enamorada… Que Deus engraçado… Não havia outro modo de se apresentar?… Mas afinal de contas, não podia ser diferente: Ele é pão, Ília era uma pessoa faminta de amor, de justiça e de verdade. E não deu outra, Ele saciou sua fome e ela, com Ele, quis ser pão para quem tem fome.

Esta é a nossa vocação. Por isso somos chamadas Pequenas Missionárias Eucarísticas. Madre Ília recebeu um dúplice chamado: o chamado a partilhar a fome e sêde de Jesus Eucaristia, permanecendo diante do sacrário por horas e horas em oração; e o chamado a partilhar a fome e sêde dos pequenos e aflitos, consolando-os com o pão dos pobres, aquele que é pouco mas dado com amor, acompanhado pela Palavra de Deus que tudo transforma, conquista e eleva àquela dignidade de filhos de Deus que toda pessoa é chamada a ser.

Falando em vocação… Você já se descobriu? Qual o chamado de Deus para você? Não sei se você sabe, mas todos somos chamados, e a vocação já a trazemos dentro de nós, a questão é descobri-la… Fazendo espaço para Deus que habita lá no fundo, onde ninguém pode chegar… Ali Ele fala no segredo do seu coração, alí Ele encontra e quer ser encontrado.

Quantas almas têm necessidade de uma boa palavra para se reanimarem, para tenderem a Jesus, para voarem para ele … (Madre Ília Corsaro)